Total de visualizações de página

sábado, 26 de junho de 2010

Capítulo 1 - Tudo Novo

Já havíamos percorrido quase todo o percurso que separava minha nova casa da minha nova escola. A sensação de primeiro dia de aula pairava sobre mim e adicionada a ância de vômito que sentia devido à ingestão rápida do meu café da manhã, causaram um aumento considerável no meu nervosismo.
Seria mais um dia, só mais um comum, normal, apático, repetia várias vezes pra mim mesma com o intuito de me acalmar.
Demonstrava claramente minha aflição. E meu pai me olhou, curioso. Eu o fitei por um instante e vi as marcas claras entregando sua idade. Ele rompeu o silêncio:
-Chegamos filha, Boa sorte. Te pego aqui nessa mesma esquina, ok?
-Sim. Até mais tarde!
Acho que consegui me recompor e parecer um pouco menos assustada do que realmente estava e fingi confiança ao sair do carro. Logo quando ergui a cabeça para ter uma visão panorâmica do lugar que iria passar meus 2 últimos anos até me formar e ir pra faculdade, me deparei com alguns olhares curiosos. E embora, soubesse que devia ignorá-los, objetei ao costume de um aluno novo de abaixar a cabeça e ressentir, retribuindo vários olhares que me fuzilavam, com desprezo. Não queria papo.
A construção que parecia conter minha sala de aula era nova, admirável. Entrei sala adentro e me sentei na única cadeira vazia, ao lado de um garoto loiro, de olhos azuis e dono de uma magreza invejável às modelos.
A ansiedade havia passado e voltei a ser a verdadeira Lucy, calma, despreocupada e até então, inócua.
Enquanto observava sem nenhum interesse todos os meus novos "amigos", um senhor carancudo entrou e se apresentou, era o Sr. Burnly, professor de Biologia.
Permaneci absorta durante todo o tempo. A aula se seguiu sem que eu necessitasse prestar atenção. Meus pensamentos iam mutuamente da minha antiga escola para o meu antigo namorado que havia deixado a kilômetros de distância daqui.
Doía muito pensar no Rick e sua cara dizendo para qualquer um que me olhasse " ah cara, vai se f*D*er " E eu sentia, nada voltaria a ser como antes. Mal sabia que usei essa palavra tão bem, que ela teria tanto sentido, não seria apenas mais uma palavra que foi dita naturalmente, mais por revolta adolescente do que pelo o que ela realmente representava e mais pra frente representaria na minha vida.
O sino tocou e eu me levantei abruptamente disparando para fora da sala. Percebi de relance que deixei dois meninos na vontade de falar comigo.
Não demorou muito e meu pai já estava buzinando freneticamente. Assim que entrei no carro, me fez a pergunta óbvia:
-Como foi seu primeiro dia de aula, querida?
-Ruim - Respondi, sincera.
-Huuum. Não viu ninguém interessante? - Perguntou-me com um sorriso malicioso.
-Se você julgar que uma vareta de dois metros seja atrante pra mim. Sim, e ele é interessantíssimo.
-Sabia que iria achar alguém bonitão aqui - Ele fingiu não me enteder.
Eu ri.
Já estive ali antes mas ainda assim, sentia desconforto ao entrar, era tudo muito novo para os meus olhos acostumados à mesmice.
Entrei e cumprimentei mamãe com um beijo em suas bochechas e subi para escada. Pressentia que ela não ia falar comigo, ela se sentia frustrada de ter que deixar o emprego que havia conquistado. E havia se tornado desde a notícia da mudança um pouco mais calada do que já era. Apenas sorriu pra mim. Eu lhe retribui e subi para o meu quarto.
Escolhi um cd aleatoriamente e o coloquei pra tocar. Chequei meus e-mails e fui dormir, estava exausta.
Adormeci mais rápido do que eu esperava.
Havia árvores caídas na estrada. Estava sozinha no escuro, procurando pelas origens das vozes. Não conseguia enxergar nada. Sentia muito frio, sofria.

4 comentários:

  1. CAROL, Legal quero conhecer o desenrolar do processo de mudanca, o que!

    Tia Marina

    ResponderExcluir
  2. Carol "Lispector", bem dissertado, digno de atencao, e com um toque de dramatização.
    O drama naum irá pessimizar sua historia, muito pelo contrario, dará uma estrutura muito boa, e isso eh o q as pessoas gostam. chama mais a atencao, prq se fosse tudo bonitinho na vida real naum teria logica...e tbm da uma realidade, jah q a vida naum eh um mar de rosas...

    ResponderExcluir
  3. Haha, I await the next chapter. rs

    ResponderExcluir
  4. o texto é interessante, narrando fato da vida real. e o q me chamou atenção é estar rica em detalhes.
    Continue a escrever. Estou no aguardo do prx capitulo.

    ResponderExcluir